Wednesday, October 05, 2005

O Princípe das Trevas

O que fez de transformer, primeiro disco solo de Lou Reed, popular? A boa música? A curiosidade mórbida das pessoas sobre as letras sombrias? A excelente produção de David Bowie (na época no auge da fama com seu personagem Ziggy Stardust)? A estranh ligação entre Lou Reed e Andy Warhol (criador da Pop-Art e da frase: todos terão seus 15 minutos de fama)? É difícil dizer, mas é provável que seja um pouco de cada coisa.
Lou Reed é uma pessoa diferente (para não dizer bizarra). Já na adolescência foi internado, por seu pai, em uma instituição para doentes mentais, por apresentar tendências homossexuais e sado-masoquistas. Sempre freqüentou o grande bairro boêmio e “moderninho” de Nova York, o West Village (ele mora no bairro até hoje). Lá ele acabou conhecendo Andy Warhol e entrando para sua trupe, participou de alguns filmes de arte e depois formou a banda Velvet Underground and Nico (patrocinada e controlada por Andy). A banda nunca fez sucesso mas saiu em algumas manchetes de jornal devido a capa do disco (o da banana, onde não aparecia o nome da banda mas só o de Andy Warhol!) e por causa das peripécias de Nico, vocalista da banda (um dos feitos de Nico é retratado no filme The Doors de Oliver Stone, onde ela é pega em um momento bem intimo com Jim Morrison em um elevador).


Com o fim do Velvet, Lou decide iniciar uma carreira solo e convida ninguém menos que David Bowie para produzir seu primeiro disco (também era a primeira vez que Bowie produzia). O disco é repleto de crônicas sobre o West Village com seus bares e personagens: de pessoas buscando a fama até traficantes e travestis. É o retrato de um canto de Nova York que não é visto em filmes e muito menos cantado por Frank Sinatra.
O disco começa com o grande sucesso Vicious. A música se inicia com o famoso verso (diz a lenda que foi Andy quem o disse a Lou) : “Vicious, you hit me with a flower/ you doin´g every hour” e poderia ser traduzido da seguinte maneira: “ Depravado, você me bate com uma flor e faz isso toda hora” eu acho que é desnecessário comentar o seu significado. A segunda música é Andy´s Chest que fala um pouco dos métodos criativos de Andy (uma maneira sutil de puxar o saco do chefe ou uma sincera admiração?).
Em seguida temo um dos grandes clássicos do Rock: Perfect Day. Quem tiver em mãos o CD comemorativo dos 30 anos de lançamento de Transformer poderá escutar a primeira versão da música, e irá perceber como o trabalho de Bowie foi importante, deixando a música MUITO melhor.

Walk on the Wild Side e seu baixo inesquecível! Sabe qual é o segredo? Eu conto. São dois baixos, um elétrico e outro acústico. Na época Lou não tinha banda, então ele precisava contratar alguns músicos para ajuda-lo a gravar o disco. Estes músicos além de ganharem por hora ganhavam por instrumento tocado. O esperto baixista sugeriu que se gravasse a música com um baixo elétrico e outro acústico ela ficaria muito melhor (se ambos fossem do mesmo tipo ele não ganharia em dobro) e o pior é que todos gostaram do resultado final e o espertinho faturou em dobro! Outro fato curioso dessa música é que em um de seus versos aparece a expressão Givin´ Head (vão ter que descobrir sozinhos pois eu não vou contar o que é!). E a música, com a expressão, foi tocada na puritana rádio BBC, passando despercebida pelo pessoal da censura, causando grande alvoroço naqueles que sabiam seu significado!

Merecem ainda destaque as seguintes músicas do disco:
Make Up: que descreve como um travesti se arruma (maquiagem, roupas e perucas) para mais uma noite de trabalho;
New York Telephone Conversation: a melhor maneira de descrever a letra desta música é pela série Sex and the City. Sabe aquele momento em que as personagens estão tomando café da manhã e ficam conversando sobre os relacionamentos (quem ficou com quem, quem fez o que com quem)? Então, a música é bem parecida, só que a conversa é via telefone;
Goodnight Ladies: se trata de Lou Reed se despedindo de seus amigos depois de uma noite de bebedeira. Será coincidência ela ser a ultima do disco?
Para saber mais sobre Lou Reed eu acho melhor conhecer um pouco mais sobre Andy Warhol, então assistam ao filme: Um tiro para Andy Warhol, que conta um pouco de sua história e de como ele acabou morrendo!

0 Comments:

Post a Comment

<< Home