Friday, August 12, 2005

The Pipper at the Gates of Down

Este é o 1º disco do Pink Floyd ( e um dos meus favoritos). Este disco é o retrato de sua época sem os clichês de paz e amor que estavam em toda parte. Ele é bem mais complexo do que pode parecer na primeira escutada, e só poderia ser fruto de uma mente brilhante. Das 11 músicas, 10 foram feitas por Syd Barrett, um gênio que começava a ficar mentalmente perturbado. Então, para entender o disco e até mesmo o Pink Floyd, temos que tentar entender um pouco de Syd Barrett.
Em 1966 o Pink Floyd ainda se chamava Sigma 6 e contava com: Roger Waters, baixo/vocal; Richard Wrigth, teclado/vocal e Nick Mason, bateria. As guitarras não tinhm dono e sempre uma pessoa diferente era convidada para assumir o posto nos shows. A banda tinha um som bem parecido com o dos Rolling Stones e não conseguia fazer sucesso, até que Waters chamou para a banda o seu amigo de infância Roger Keith (que havia adotado o nome artístico Syd Barrett) que era o guitarrista mais famoso da cena musical de Cambrige (aliás, todos os membros da banda eram de famílias extremamente ricas e faziam faculdade de arquitetura em Cambrige).
Syd já era uma pessoa um pouco “estranha” na época. Ele só tocava blues bem antigo e desconhecido do grande público e nunca amarrava seus sapatos(!). Outro fato curioso, quando Syd resolveu experimentar LSD ele decidiu fazer um filme sobre este momento! Então ele e um amigo foram para uma fazenda deserta e o amigo filmou todas as reações de Syd.

Em meados de 66 o arquiteto e professor de Cambrige Mike Leonard esta desenvolvendo novas técnicas de iluminação de shows e iria filma-las. Chamou então a banda para fazer a trilha sonora, sendo que as músicas deveriam ser improvisadas tendo como inspiração as luzes criadas pelo professor. Nascia, assim a sonoridade da banda. Mas o nome Sigma 6 não agradava Syd Barrett, e como ele era um grande fã de Blues decidiu rebatizar a banda com o nome de Pink Floyd, em homenagem à Pink Anderon e Floyd Council, seus maiores ídolos da música.

Com um novo nome e uma formação estável a banda parte para Londres para fazer alguns shows na cena underground. Depois de um relativo sucesso eles lançam seu primeiro single chamado Arnold Lane. A música acabou banida das rádios pois contava a história real de um cara de Cambrige que roubava roupas nos varais para cheira-las e depois vesti-las. Como ele vestia roupas de homens e de mulheres os diretores das rádios acharam que se tratava da história de um travesti.

No começo de 1967 a banda entra em estúdio para gravar seu primeiro disco: The Pipper at the Gates of Down. O disco foi gravado no Abbey Road ao mesmo tempo em que os Beatles gravavam o clássico Sgt Pepper e reza a lenda que Syd e John Lennon se trancavam em uma salinha escondida para tomarem LSD e trocarem opiniões sobre os discos de suas respectivas bandas. O nome do disco é o título de um capítulo do livro infantil chamado Wind Wilows de Keneth Grahame. Este era o livro favorito de Syd Barrett.
O disco começa com minha música favorita (não só da banda, mas dentre todas que eu conheço): Astronomy Domine. Nela dá para perceber toda a genialidade de Syd, com uma letra intrigante, riffs de guitarra memoráveis e os solos contando com a ajuda de seus isqueiro Zippo. Além desta música, Interstellar Overdrive também tem a temática da ficção científica. O interessante é que Interstellar era simplesmente odiada em Londres, mas fazia um grande sucesso no resto da Inglaterra.
A segunda música é também curiosa. Lúcifer Sam conta a história de um pequeno gatinho com este nome ( o que pensar de um gato chamado Lúcifer Sam?)! E a pérola The Gnome conta como é a vida de um gnomo chamado Grimble Crumble (Syd dizia que via gnomos quando tomava LSD e que gostava de conversar com eles!).O disco tem uma certa influência do ocultismo pois a música Chapter 24 e baseada no livro I – Ching.
Pow R. Toc H. é a música mais estranha do disco. Além de ter um instrumental totalmente psicodélico a letra é o próprio título da música repetido várias vezes (tente pronuncia-lo!). Take up thy Stethoscope and Walk é a única música que Syd não participa da composição (ela é de Roger Waters) e tem uma linha de baixo deliciosamente hipnótica. E por último não poderíamos deixar de citar Bike, que tem uma das letras mais imprevisíveis de Syd. O disco termina com estranhos sons de gansos que, segundo Roger Waters, é o barulho de gansos insanos e histéricos e foi idéia de Syd (vai entender!).
Syd Barrett ficou apenas três anos na banda (ele ficou louco devido ao uso excessivo de LSD) mas de uma maneira ou de outra ele sempre esteve presente nos trabalhos da banda devido a enorme influência que ele exerceu sobre os outros membros, pois quase todos os discos do Pink Floyd tem alguma referência a Syd Barrett.

Para saber mais sobre Syd Barrett eu recomendo o filme: Syd Barrett´s First Trip que trás as cenas da primeira experiência lisérgica de Syd.

Monday, August 01, 2005

Novo recado!

Já esta no ar mais um artigo meu no site spiner! e devido a algumas reclamações de pessoas que achavam difícil acessá-lo eu explico como:
entre no site: www.spiner.com.br e cliquem na seção música! em seguida procure o link da ten years after à esquerda!~
Simples!
Aprendeu agora, Latino!!!!
João